quarta-feira, 14 de junho de 2017

Programa Globe-Brasil Lança Campanha Contra o Aedes Aegypti em Três Cidades Brasileiras

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (13/06) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacan que o programa  Globe-Brasil  da NASA lançou campanha contra o Aedes Aegypti em três cidades

Duda Falcão

Programa Globe-Brasil Lança Campanha
Contra o Aedes Aegypti em Três Cidades

Coordenação de Comunicação Social – CCS
13/06/2017


A Agência Espacial Brasileira (AEB) promoveu entre os dias 30 de maio e 6 de junho a terceira edição do workshop do programa Globe Brasil, uma iniciativa da Agência Espacial Norte-Americana (NASA) em parceria com a AEB que beneficiou três cidades brasileiras: São José dos Campos (SP), Santa Cruz (RJ) e Paranaguá/Matinhos (PR)

Durante os workshops deu-se início a Campanha de Coleta de Dados e Estudos Científicos da Larva do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Professores e alunos foram capacitados para, no período de cinco meses, coletarem dados e propor pesquisas para combater a proliferação do mosquito.

Para Russane Low, master trainer do programa Globe, o Brasil foi escolhido para a realização da campanha pela capacidade e habilidade em providenciar a liderança precisa para ter uma boa coleta de dados. A americana que orientou os participantes durante os workshops, também elogiou o preparo dos docentes brasileiros e está animada para futuras edições do Globe-Brasil.

Participantes das escolas selecionadas mostraram-se bastantes satisfeitos com as atividades que o programa Globe levou para as cidades brasileiras. O professor Carlos Eduardo Gomes caracterizou o workshop como uma oportunidade inédita. “As pesquisas vão contribuir para o desenvolvimento das aulas práticas e ação da comunidade no combate ao mosquito”, observou.

Segundo a professora Taís Campos, o Globe proporcionou uma perspectiva prática. “É de conhecimento de todos a problemática do Aedes Aegypti e a teoria dessa realidade sempre foi trabalhada em sala. Agora, com o workshop, temos os recursos necessários para praticar a teoria”, destacou.

A professora Monaliza Manuci listou o workshop como importante e contributivo. “É uma ótima oportunidade para os alunos despertarem interesse pela área científica e serem inseridos no mundo da pesquisa e da ciência”, lembrou.

Nas duas primeiras edições do workshop no Brasil, os professores da Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEDF) foram capacitados para trabalhar na coleta de dados atmosféricos e hidrológicos. No Parque Nacional de Brasília, eles realizaram pesquisas de campo e analisaram diversos aspectos da água e da atmosfera.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Relevante, mas o que não é relevante é o descaso, a falta de visão e a incompetência dessa Agencia de Brinquedo com a educação direcionada para o Foguetemodelismo no país, por exemplo (veja aqui e aqui), o caso do CVT Espacial (quero lembrar ao responsável por esse projeto que não esqueci desse assunto, e se esse troço não andar até o meio da semana que vem vou começara a dar nomes) um tremendo de um absurdo só possível em um órgão completamente sem comando, a Deus vará, dirigido por um Coelho vendedor de sanduíches. Apesar disso leitor o foguetemodelismo brasileiro vem se desenvolvendo a passos largos sem a presença dessa Agencia de Brinquedo que deveria esta não só apoiando financeiramente os eventos já existentes (Festival Brasileiro de Minifoguetes e a COBRUF Rockets), bem como estimulando outros surgirem no país e abrindo portas para a participação de esquipes brasileiras em eventos internacionais, como fizeram recentemente com uma equipe da área de robótica espacial (veja aqui e aqui). Será revanchismo ou incompetência e falta de visão? Ora leitor, em minha opinião é uma mistura de tudo isso, pois se ha revanchismo demonstra que os responsáveis não são as pessoas certas para assumiram os cargos que ocupam, afinal são servidores públicos e são pagos para defenderem os interesses da Sociedade e não interesses próprios. Em outras palavras, não há espaço para revanchismos e nem incompetência e muito menos falta de visão, pois o que esta em jogo são os interesses do todo. Como exemplo da falta de visão, veja por exemplo, o caso da Agencia Espacial Europeia (ESA) que ao lado do Andøya Space Center (ASC), e do  Centro Norueguês de Espaço (Norwegian Space Center) conduzem o programa “Fly a Rocket”, uma competição de foguetes entre estudantes universitários na Europa realizada anualmente no ASC, e esse é só um exemplo, onde inclusive os seus realizadores poderiam está sendo consultados sobre uma possível participação de equipes brasileiras neste evento, ou mesmo a criação de uma evento conjunto. As possibilidades são enormes inclusive na América do Sul, mas falta atitude, visão, vontade de correr atrás, falta seriedade e comprometimento dessa agencia de brinquedo em realmente apresentar resultados, porém sobra em vender fantasias, coisa que não poderia ser diferente, já que é a cara de seu gestor vendedor de sanduíches. E olha que a agencia tem uma “Assessoria de Cooperação Internacional” sob a chefia do Sr. André João Rypl que muito bem poderia está cuidando dessas possibilidades, mas enfim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário